sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Lobos de regresso da Operação Indalo 2021

 

Foto. FAP

Regressou à BA11, Beja, a aeronave P-3C CUP+ da Esquadra 601  "Lobos" e respetivo contingente composto por 30 militares.


O  destacamento português esteve ao serviço da Operação Indalo 2021 da Agência Europeia Frontex. Patrulhou as águas do Mediterrâneo nos últimos 3 meses, onde foram efectuadas 240 horas de voo, dando o seu contributo para  o combate à imigração ilegal e prevenção de crimes transfronteiriços.


 Grandes “Lobos”. Fiquem bem, Jorge Ruivo                                                     Fonte: Força Aérea Portuguesa








































































 

Foto. FAP

Regressou à BA11, Beja, a aeronave P-3C CUP+ da Esquadra 601  "Lobos" e respetivo contingente composto por 30 militares.


O  destacamento português esteve ao serviço da Operação Indalo 2021 da Agência Europeia Frontex. Patrulhou as águas do Mediterrâneo nos últimos 3 meses, onde foram efectuadas 240 horas de voo, dando o seu contributo para  o combate à imigração ilegal e prevenção de crimes transfronteiriços.


 Grandes “Lobos”. Fiquem bem, Jorge Ruivo                                                     Fonte: Força Aérea Portuguesa








































































quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

F-16AM da FAP já estão de regresso a casa

 


Já estão de regresso os F-16AM da Força Aérea Portuguesa  que estiveram destacados na Base Aérea de Siauliai na Lituânia para mais uma missão de Baltics Enhanced Air Policincing 2021 no âmbito da NATO.


15142 com o 15103 e o 15101 com o 15112 e um pouco mais atrás o C-27 da Força Aérea da Lituânia. Dados recolhidos do ADSB-Exchange.

Fiquem bem, Jorge Ruivo








































































 


Já estão de regresso os F-16AM da Força Aérea Portuguesa  que estiveram destacados na Base Aérea de Siauliai na Lituânia para mais uma missão de Baltics Enhanced Air Policincing 2021 no âmbito da NATO.


15142 com o 15103 e o 15101 com o 15112 e um pouco mais atrás o C-27 da Força Aérea da Lituânia. Dados recolhidos do ADSB-Exchange.

Fiquem bem, Jorge Ruivo








































































quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Esquadra 301 Jaguares comemora 53 anos

 


Parabéns aos Jaguares. A Esquadra 301 da Força Aérea Portuguesa, os Jaguares, celebram hoje dia 25 novembro os seus 53 anos de atividade operacional. 


A operar a partir da Base Aérea 5 de Monte Real desde 2004 com o F-16AM Fighting Falcon, a Esquadra operou também outras aeronaves como o AlphaJet e o Fiat G-91 ao longo deste já tão longo e histórico percurso operacional.


Existem 2 F-16AM com caudas especiais, no 15106 feito para o 50º Nato Tigermeet, o 15103 quando a esquadra comemorou os 50 anos e este ano tivemos o 15116 com uma soberba pintura Jaguar. Infelizmente este quando voltar aos céus já não terá essa “roupa”. 


Parabéns Jaguares. Fiquem bem, Jorge Ruivo









































































 


Parabéns aos Jaguares. A Esquadra 301 da Força Aérea Portuguesa, os Jaguares, celebram hoje dia 25 novembro os seus 53 anos de atividade operacional. 


A operar a partir da Base Aérea 5 de Monte Real desde 2004 com o F-16AM Fighting Falcon, a Esquadra operou também outras aeronaves como o AlphaJet e o Fiat G-91 ao longo deste já tão longo e histórico percurso operacional.


Existem 2 F-16AM com caudas especiais, no 15106 feito para o 50º Nato Tigermeet, o 15103 quando a esquadra comemorou os 50 anos e este ano tivemos o 15116 com uma soberba pintura Jaguar. Infelizmente este quando voltar aos céus já não terá essa “roupa”. 


Parabéns Jaguares. Fiquem bem, Jorge Ruivo









































































quarta-feira, 24 de novembro de 2021

A Esquadra 552 Zangões comemora hoje o 43.º Aniversário.

 

A operar a partir da Base Aérea de Beja, os Zangões comemoram hoje 43 anos.


A 24 de novembro de 1978 a Esq. 33 viu o seu nome alterado para Esq. 552, designação que ainda ostenta. Em 30 de setembro de 1986 recebe os helicópteros da então extinta Esq. 551 e em 1993 absorve a Esq. 111, tornando-se a fiel depositária dos valores e tradições de todas as unidades anteriores que operaram o ALIII na Força Aérea, com a responsabilidade que isso acarreta.


A 16 de novembro de 1993, a Esq. 552 deixa Tancos e o Tejo, rumando à planície de Beja (Base Aérea nº11) onde se mantém até à presente data.



Em fevereiro de 2019 concretiza-se o processo de transição dos meios aéreos da Esquadra 552 com chegada dos dois primeiros helicópteros Leonardo AW119 Koala para a Força Aérea Portuguesa com o objetivo de substituir os Alouete III. 



Em termos militares, estes helicópteros ligeiros podem cumprir as missões até agora desempenhadas pelos Alouette: instrução básica e avançada de voo, busca e salvamento, evacuação sanitária, patrulhamento e observação.



Em junho de 2020 foi a data que assinalou o final de serviço desta aeronave, após 57 anos de operação na Força Aérea Portuguesa, cujo primeiro helicóptero fez voo de estreia na guerra colonial, a 18 de junho de 1963, em Luanda.


Parabéns aos Zangões. Fiquem bem, Jorge Ruivo


































































 

A operar a partir da Base Aérea de Beja, os Zangões comemoram hoje 43 anos.


A 24 de novembro de 1978 a Esq. 33 viu o seu nome alterado para Esq. 552, designação que ainda ostenta. Em 30 de setembro de 1986 recebe os helicópteros da então extinta Esq. 551 e em 1993 absorve a Esq. 111, tornando-se a fiel depositária dos valores e tradições de todas as unidades anteriores que operaram o ALIII na Força Aérea, com a responsabilidade que isso acarreta.


A 16 de novembro de 1993, a Esq. 552 deixa Tancos e o Tejo, rumando à planície de Beja (Base Aérea nº11) onde se mantém até à presente data.



Em fevereiro de 2019 concretiza-se o processo de transição dos meios aéreos da Esquadra 552 com chegada dos dois primeiros helicópteros Leonardo AW119 Koala para a Força Aérea Portuguesa com o objetivo de substituir os Alouete III. 



Em termos militares, estes helicópteros ligeiros podem cumprir as missões até agora desempenhadas pelos Alouette: instrução básica e avançada de voo, busca e salvamento, evacuação sanitária, patrulhamento e observação.



Em junho de 2020 foi a data que assinalou o final de serviço desta aeronave, após 57 anos de operação na Força Aérea Portuguesa, cujo primeiro helicóptero fez voo de estreia na guerra colonial, a 18 de junho de 1963, em Luanda.


Parabéns aos Zangões. Fiquem bem, Jorge Ruivo


































































segunda-feira, 30 de agosto de 2021

F-16 portugueses descolam com destino à Lituânia


Descolaram hoje de manhã 4 F-16 com destino à Lituania para iniciarem mais um destamento no âmbito do Baltics Enhanced Air Policing 2021, da NATO.



Votos de boa missão a todos os militares portugueses envolvidos.

Fiquem bem. Jorge Ruivo

































































 


Descolaram hoje de manhã 4 F-16 com destino à Lituania para iniciarem mais um destamento no âmbito do Baltics Enhanced Air Policing 2021, da NATO.



Votos de boa missão a todos os militares portugueses envolvidos.

Fiquem bem. Jorge Ruivo

































































 

terça-feira, 6 de julho de 2021

OGMA entrega F-16BM 15144 à Força Aérea Portuguesa

 


A OGMA entregou, hoje dia 06 de Julho, mais uma aeronave Lockheed Martin F-16 MLU Fighting Falcon à Força Aérea Portuguesa (FAP). 

Foi possivel fazer o seu acompanhamento através do site ADSB Exchange com o call sigh "RISKY 27"

Esta aeronave 15144 descolou do complexo das OGMA em Alverca e aterrou na Base Aérea de Monte Real e é a terceira aeronave entregue à Força Aérea Portuguesa ao abrigo do atual Programa Mid-Life-Update.

Fiquem bem. Jorge Ruivo















































 


A OGMA entregou, hoje dia 06 de Julho, mais uma aeronave Lockheed Martin F-16 MLU Fighting Falcon à Força Aérea Portuguesa (FAP). 

Foi possivel fazer o seu acompanhamento através do site ADSB Exchange com o call sigh "RISKY 27"

Esta aeronave 15144 descolou do complexo das OGMA em Alverca e aterrou na Base Aérea de Monte Real e é a terceira aeronave entregue à Força Aérea Portuguesa ao abrigo do atual Programa Mid-Life-Update.

Fiquem bem. Jorge Ruivo















































quinta-feira, 27 de maio de 2021

ROF158 a caminho da Roménia

 



Hoje pelas 09:00 da manhã foi audivel o descolar de um F-16 de Monte Real. No seguimento da publicação de ontem da Base Aérea 5 dando nota da conclusão de uma inspeção de fase efectuado num F-16BM da Força Aérea Romena, o 1612 (ex-15139), eis que pelas 11:30 aparece no radar a chegar a Aviano. Fiquem bem.







































 



Hoje pelas 09:00 da manhã foi audivel o descolar de um F-16 de Monte Real. No seguimento da publicação de ontem da Base Aérea 5 dando nota da conclusão de uma inspeção de fase efectuado num F-16BM da Força Aérea Romena, o 1612 (ex-15139), eis que pelas 11:30 aparece no radar a chegar a Aviano. Fiquem bem.







































segunda-feira, 24 de maio de 2021

EXERCÍCIO STEADFAST DEFENDER 2021

O exercício da NATO Steadfast Defender 2021 iniciou-se este mês, reunindo mais de 20 Aliados e parceiros da NATO,  da América do Norte e da Europa. O Exercício Steadfast Defender 2021 terá como objectivo principal testar a prontidão e a mobilidade militar da NATO - com forças a desencadear missões  em terra e no mar, desde a América do Norte até a região do Mar Negro e ao largo da costa de Portugal, Com mais de 9.000 militares, o exercício irá demonstrar a capacidade e a determinação da NATO para proteger todos os Aliados contra qualquer ameaça.

Em Portugal está um destacamento com F-16D da Turquia a operar a partir da Base Aérea 5 Monte Real

Fiquem bem. Jorge Ruivo





















































O exercício da NATO Steadfast Defender 2021 iniciou-se este mês, reunindo mais de 20 Aliados e parceiros da NATO,  da América do Norte e da Europa. O Exercício Steadfast Defender 2021 terá como objectivo principal testar a prontidão e a mobilidade militar da NATO - com forças a desencadear missões  em terra e no mar, desde a América do Norte até a região do Mar Negro e ao largo da costa de Portugal, Com mais de 9.000 militares, o exercício irá demonstrar a capacidade e a determinação da NATO para proteger todos os Aliados contra qualquer ameaça.

Em Portugal está um destacamento com F-16D da Turquia a operar a partir da Base Aérea 5 Monte Real

Fiquem bem. Jorge Ruivo





















































quarta-feira, 28 de abril de 2021

A Esquadra 751 faz 43 anos

 

A Esquadra 751 "Pumas" foi criada em 28 de Abril de 1978. Após o período de descolonização, os SA-330 PUMA sofreram ligeiras modificações e foram aplicados na execução de missões de Busca e Salvamento nas áreas de responsabilidade atribuídas a Portugal no âmbito dos seus compromissos internacionais.

De salientar que as regiões de responsabilidade de salvamento atribuídas a Portugal, coincidentes com a Região de Informação de Voo (FIR) de Lisboa e Sta. Maria, representam a maior área de responsabilidade da Europa. Além de Busca e Salvamento (SAR) a Esquadra 751executa outras missões, no âmbito estritamente militar, o apoio táctico e outras missões de interesse público, como é o caso das missões de vigilância marítima.

Em 2005 a Esquadra 751 passou a contar com o moderno Agusta Westland EH-101 Merlin que veio substituir o consagrado SA-330 PUMA. Este foi um marco extremamente significativo pois permitiu à Esquadra ficar dotada de tecnologia de ponta e também aumentar a sua capacidade de operação. Este aumento de capacidades foi já traduzido centenas de vidas salvas.

Após a introdução do EH-101 "Merlin" existiu uma reestruturação do dispositivo SAR (busca e salvamento) nacional e assim os cerca de 100 militares que compõem a Esquadra 751 trabalham para que a mesma tenha, 24 horas por dia, 365 dias por ano, uma tripulação de alerta permanente na Base Aérea N.º 6, Montijo, uma tripulação e aeronave no AM3 Porto Santo e duas tripulações e duas aeronaves na Base Aérea N.º 4, Lajes "PARA QUE OUTROS VIVAM". Parabéns Pumas.
































































































 

A Esquadra 751 "Pumas" foi criada em 28 de Abril de 1978. Após o período de descolonização, os SA-330 PUMA sofreram ligeiras modificações e foram aplicados na execução de missões de Busca e Salvamento nas áreas de responsabilidade atribuídas a Portugal no âmbito dos seus compromissos internacionais.

De salientar que as regiões de responsabilidade de salvamento atribuídas a Portugal, coincidentes com a Região de Informação de Voo (FIR) de Lisboa e Sta. Maria, representam a maior área de responsabilidade da Europa. Além de Busca e Salvamento (SAR) a Esquadra 751executa outras missões, no âmbito estritamente militar, o apoio táctico e outras missões de interesse público, como é o caso das missões de vigilância marítima.

Em 2005 a Esquadra 751 passou a contar com o moderno Agusta Westland EH-101 Merlin que veio substituir o consagrado SA-330 PUMA. Este foi um marco extremamente significativo pois permitiu à Esquadra ficar dotada de tecnologia de ponta e também aumentar a sua capacidade de operação. Este aumento de capacidades foi já traduzido centenas de vidas salvas.

Após a introdução do EH-101 "Merlin" existiu uma reestruturação do dispositivo SAR (busca e salvamento) nacional e assim os cerca de 100 militares que compõem a Esquadra 751 trabalham para que a mesma tenha, 24 horas por dia, 365 dias por ano, uma tripulação de alerta permanente na Base Aérea N.º 6, Montijo, uma tripulação e aeronave no AM3 Porto Santo e duas tripulações e duas aeronaves na Base Aérea N.º 4, Lajes "PARA QUE OUTROS VIVAM". Parabéns Pumas.
































































































sexta-feira, 26 de março de 2021

A Romenia recebeu o ultimo F-16 adquirido a Portugal

 

A Roménia recebeu, nesta quinta-feira, o 17º e último F-16 Fighting Falcon de um contrato de alienação de 5 aeronaves assinado em 2019, Peace Carpathian II, com Portugal.

Pelas 16:31 locais o F-16AM o número de cauda 1615 (ex 15134 em Portugal e ex-83077 nos EUA), tocou a pista da Base Aérea de Borcea vindo de Monte Real de onde descolou pela manhã bem cedo, tendo feito ainda uma escala técnica para reabastecer na Base de Aviano, Itália.

Com a entrega da quinta aeronave fica completa a primeira de três fases do contrato. Previsto para 2023 e 2024, as duas próximas fases, consistem no upgrade da configuração, de M5.2R para M6, de todas as dezassete aeronaves F-16 que a ROAF agora dispõe.

A Força Aérea Portuguesa vai realizar testes no solo e em voo da nova configuração M6 em duas aeronaves F-16 da ROAF, a realizar na Base Aérea N.º 5, em Monte Real, seguindo-se depois um apoio técnico local, na Roménia, para a atualização de parte das restantes quinze aeronaves.

A Esquadra 53 – Warhawks  de Borcea está agora completa com 17 aeronaves F-16 sendo 14 AM e 3 BM.

Um agradecimento especial a Adrian Sultanoiu pela cedencia das fotos da chegada do F-16AM 1615 à Base de Borcea. Fiquem bem. Jorge Ruivo

Fonte: Força Aérea Portuguesa



































































 

A Roménia recebeu, nesta quinta-feira, o 17º e último F-16 Fighting Falcon de um contrato de alienação de 5 aeronaves assinado em 2019, Peace Carpathian II, com Portugal.

Pelas 16:31 locais o F-16AM o número de cauda 1615 (ex 15134 em Portugal e ex-83077 nos EUA), tocou a pista da Base Aérea de Borcea vindo de Monte Real de onde descolou pela manhã bem cedo, tendo feito ainda uma escala técnica para reabastecer na Base de Aviano, Itália.

Com a entrega da quinta aeronave fica completa a primeira de três fases do contrato. Previsto para 2023 e 2024, as duas próximas fases, consistem no upgrade da configuração, de M5.2R para M6, de todas as dezassete aeronaves F-16 que a ROAF agora dispõe.

A Força Aérea Portuguesa vai realizar testes no solo e em voo da nova configuração M6 em duas aeronaves F-16 da ROAF, a realizar na Base Aérea N.º 5, em Monte Real, seguindo-se depois um apoio técnico local, na Roménia, para a atualização de parte das restantes quinze aeronaves.

A Esquadra 53 – Warhawks  de Borcea está agora completa com 17 aeronaves F-16 sendo 14 AM e 3 BM.

Um agradecimento especial a Adrian Sultanoiu pela cedencia das fotos da chegada do F-16AM 1615 à Base de Borcea. Fiquem bem. Jorge Ruivo

Fonte: Força Aérea Portuguesa



































































quinta-feira, 25 de março de 2021

ROF125 já vai a caminho de casa


Hoje pelas 07:30 da manhã foi audivel o descolar de um F-16 de Monte Real. Um movimento que não é muito habitual. Como existe ou existia ainda um F-16 para entregar à Romenia, mais concretamente o ex-15134 e atual 1615, eis que pelas 10:00 aparece no radar a chegar a Aviano. Fiquem bem.

















































Hoje pelas 07:30 da manhã foi audivel o descolar de um F-16 de Monte Real. Um movimento que não é muito habitual. Como existe ou existia ainda um F-16 para entregar à Romenia, mais concretamente o ex-15134 e atual 1615, eis que pelas 10:00 aparece no radar a chegar a Aviano. Fiquem bem.
















































quarta-feira, 24 de março de 2021

Os Lobos estão de parabéns. A Esquadra 601 comemora 35 anos

 

A Esquadra 601 "Lobos" comemora hoje, dia 24 de março, o seu 35.º Aniversário, nasceu em março de 1986, tendo-lhe sido atribuída como missão primária executar operações de patrulhamento marítimo e de guerra de superfície e subsuperfície e como missão secundária executar operações de busca e salvamento e de minagem. 

Durante estes 35 anos, a frota operou duas aeronaves P-3;  a frota de P-3P esteve ao serviço da FAP durante 25 anos, contabilizando mais de 25000 horas de voo. O seu último voo foi realizado no dia 13 de outubro de 2011 para um breve voo de despedida.

O P-3C CUP+, entrou ao serviço operacional em janeiro de 2011 revelando-se uma plataforma extremamente versátil, que permite a execução de um leque alargado de missões sobre a terra, sobre o mar e em condições meteorológicas adversas, com uma enorme autonomia e raio de ação.

As missões que vão desde a Busca e Salvamento, ao Patrulhamento Marítimo, à recolha de informações até às mais exigentes e complexas missões de luta Antisubmarina, Anti-superfície, ISTAR (Intelligence, Surveillance, Target Acquisition and Reconnaissance) e de apoio a Forças Especiais.

A aeronave possui ainda capacidades de C2, Network Centric Warfare (Guerra Centrada em Rede) e de largada de armamento inteligente nomeadamente o Torpedo MK-46 e os mísseis AGM-84 Harpoon e o AGM-65 Maverick, mantendo a capacidade de minagem e largada de bombas de fins gerais, bem como a capacidade de sobrevivência em ambiente hostil.

Graças à excelente capacidade de autonomia do P-3C CUP+, e aos sensores que a equipam esta plataforma pode ser utilizada em operações conjuntaas com outras Forças Militares e outros órgãos de Estado em missões específicas de complexidade acrescida, sempre que o interesse nacional assim o determine.


Parabéns aos Lobos e votos de boas missões a fazer jus ao seu lema“ Ser-lhe à todo o Oceano obediente”.

Fonte: Força Aérea Portuguesa




























































 

A Esquadra 601 "Lobos" comemora hoje, dia 24 de março, o seu 35.º Aniversário, nasceu em março de 1986, tendo-lhe sido atribuída como missão primária executar operações de patrulhamento marítimo e de guerra de superfície e subsuperfície e como missão secundária executar operações de busca e salvamento e de minagem. 

Durante estes 35 anos, a frota operou duas aeronaves P-3;  a frota de P-3P esteve ao serviço da FAP durante 25 anos, contabilizando mais de 25000 horas de voo. O seu último voo foi realizado no dia 13 de outubro de 2011 para um breve voo de despedida.

O P-3C CUP+, entrou ao serviço operacional em janeiro de 2011 revelando-se uma plataforma extremamente versátil, que permite a execução de um leque alargado de missões sobre a terra, sobre o mar e em condições meteorológicas adversas, com uma enorme autonomia e raio de ação.

As missões que vão desde a Busca e Salvamento, ao Patrulhamento Marítimo, à recolha de informações até às mais exigentes e complexas missões de luta Antisubmarina, Anti-superfície, ISTAR (Intelligence, Surveillance, Target Acquisition and Reconnaissance) e de apoio a Forças Especiais.

A aeronave possui ainda capacidades de C2, Network Centric Warfare (Guerra Centrada em Rede) e de largada de armamento inteligente nomeadamente o Torpedo MK-46 e os mísseis AGM-84 Harpoon e o AGM-65 Maverick, mantendo a capacidade de minagem e largada de bombas de fins gerais, bem como a capacidade de sobrevivência em ambiente hostil.

Graças à excelente capacidade de autonomia do P-3C CUP+, e aos sensores que a equipam esta plataforma pode ser utilizada em operações conjuntaas com outras Forças Militares e outros órgãos de Estado em missões específicas de complexidade acrescida, sempre que o interesse nacional assim o determine.


Parabéns aos Lobos e votos de boas missões a fazer jus ao seu lema“ Ser-lhe à todo o Oceano obediente”.

Fonte: Força Aérea Portuguesa




























































quinta-feira, 18 de março de 2021

Real Thaw 2021 - Dia 3

 

O Real Thaw permite avaliar e certificar as capacidades operacionais da Força Aérea, num ambiente de treino conjunto com militares da Marinha e do Exército, enquanto mantém os protocolos de segurança de atenuação da COVID-19.

Com este exercício a Força Aérea Portuguesa pretende continuar a garantir o desenvolvimento e preparação das forças nacionais destacadas ao serviço das Nações Unidas e da NATO.

As missões do Real Thaw 2021 vão ter lugar em locais específicos, de dia e noite, tendo sido planeadas de modo a terem o mínimo impacto no meio ambiente e na população conforme referido pelas fontes da Força Aérea.

De dia e de noite as missões de treino sucedem-se e aqui ficam umas fotos do dia 3.

Fonte: Força Aérea Portuguesa



















































 

O Real Thaw permite avaliar e certificar as capacidades operacionais da Força Aérea, num ambiente de treino conjunto com militares da Marinha e do Exército, enquanto mantém os protocolos de segurança de atenuação da COVID-19.

Com este exercício a Força Aérea Portuguesa pretende continuar a garantir o desenvolvimento e preparação das forças nacionais destacadas ao serviço das Nações Unidas e da NATO.

As missões do Real Thaw 2021 vão ter lugar em locais específicos, de dia e noite, tendo sido planeadas de modo a terem o mínimo impacto no meio ambiente e na população conforme referido pelas fontes da Força Aérea.

De dia e de noite as missões de treino sucedem-se e aqui ficam umas fotos do dia 3.

Fonte: Força Aérea Portuguesa