domingo, 28 de fevereiro de 2021

Caracóis da Esquadra 103 fazem 68 anos. Atualmente aguarda atribuição de nova aeronave

 

Os Caracóis estão de parabéns porque comemoram hoje 68 anos de existência, apesar da Esquadra  estar desactivada desde 2018. Historicamente remonta ao ano de 1953 com a entrada ao serviço do T-33A Shooting Star a operar a partir da Base Aérea da Ota que servia para treinar pilotos para o F-84G. Em 1957 com a passagem para a Base Aérea da Tancos passou a designar-se como Esquadra de Instrução Complementar de Pilotagem em Aviões de Combate (EICPAC).

Em 1974 a Esquadra é transferida para a Base Aérea de Monte Real, é designada por Esquadra 103 e em 1980 recebe os elegantes T-38 Talon que operam em Monte Real até serem transferidos em 1987 para a Base Aérea de Beja. O T-33 começou progressivamente a ser desactivado em 1988 e o T-38 terminou definitivamente a sua missão em 1993, ano em que a Esquadra 103 recebeu os Alphajet, de origem alemã, que opera ainda nos dias de hoje.

Tive a oportunidade de fotografar todas estas aeronaves da Esquadra 103 quando iniciei este meu hobby em 1978, aqui por Monte Real, iniciado que foi ainda na era da fotografia a preto e branco e culminou com uma missão a bordo de um Alphajet em 2017.

Gostaria de referir também os anos em que a Esquadra 103 foi responsável por voltar aos céus a patrulha acrobática Asas de Portugal. Deixo aqui o meu contributo para este importante dia e endereçar os parabéns a todos os antigos Caracóis ficando à espera da sua reactivação para um futuro próximo. Fiquem bem, Jorge Ruivo























































































 

Os Caracóis estão de parabéns porque comemoram hoje 68 anos de existência, apesar da Esquadra  estar desactivada desde 2018. Historicamente remonta ao ano de 1953 com a entrada ao serviço do T-33A Shooting Star a operar a partir da Base Aérea da Ota que servia para treinar pilotos para o F-84G. Em 1957 com a passagem para a Base Aérea da Tancos passou a designar-se como Esquadra de Instrução Complementar de Pilotagem em Aviões de Combate (EICPAC).

Em 1974 a Esquadra é transferida para a Base Aérea de Monte Real, é designada por Esquadra 103 e em 1980 recebe os elegantes T-38 Talon que operam em Monte Real até serem transferidos em 1987 para a Base Aérea de Beja. O T-33 começou progressivamente a ser desactivado em 1988 e o T-38 terminou definitivamente a sua missão em 1993, ano em que a Esquadra 103 recebeu os Alphajet, de origem alemã, que opera ainda nos dias de hoje.

Tive a oportunidade de fotografar todas estas aeronaves da Esquadra 103 quando iniciei este meu hobby em 1978, aqui por Monte Real, iniciado que foi ainda na era da fotografia a preto e branco e culminou com uma missão a bordo de um Alphajet em 2017.

Gostaria de referir também os anos em que a Esquadra 103 foi responsável por voltar aos céus a patrulha acrobática Asas de Portugal. Deixo aqui o meu contributo para este importante dia e endereçar os parabéns a todos os antigos Caracóis ficando à espera da sua reactivação para um futuro próximo. Fiquem bem, Jorge Ruivo























































































domingo, 21 de fevereiro de 2021

Museu do Ar celebra 53 anos

 

O Museu do Ar assinala hoje, dia 21 de Fevereiro, 53 anos de existência. A sua origem remonta a 1968, quando foi assinado o decreto-lei que permitiu criar o primeiro museu dedicado à aviação em Portugal. Três anos mais tarde, o Museu do Ar abriu portas ao público em Alverca. 

Com o passar dos anos, o espaço revelou-se pequeno para expor o acervo aeronáutico, tendo-se decidido criar e inaugurar, em 2009, o Museu do Ar, em Sintra, que é hoje a sede principal. 

O Museu do Ar, situado na Granja do Marquês, Sintra, reúne a história da aviação portuguesa, militar e civil, com peças únicas que documentam as épocas da Aeronáutica Militar, Aviação Naval e da Força Aérea, além de espólios da TAP - Transportes Aéreos Portugueses e ANA - Aeroportos de Portugal. 

A sua importância histórico-cultural foi reconhecida, em 2013, pela Associação Portuguesa da Museologia com a atribuição do galardão de “Melhor Museu do Ano”. 

Hoje, o Museu do Ar continua a cumprir com o “dever da memória”, conservando, restaurando e expondo o espólio aeronáutico nacional em três pontos dos país: Sintra, junto à Base Aérea N.º 1, em Alverca, junto ao Depósito Geral de Material da Força Aérea, e em Ovar, no Aeródromo de Manobra N.º 1.

 Fonte: EMFA





























































































 

O Museu do Ar assinala hoje, dia 21 de Fevereiro, 53 anos de existência. A sua origem remonta a 1968, quando foi assinado o decreto-lei que permitiu criar o primeiro museu dedicado à aviação em Portugal. Três anos mais tarde, o Museu do Ar abriu portas ao público em Alverca. 

Com o passar dos anos, o espaço revelou-se pequeno para expor o acervo aeronáutico, tendo-se decidido criar e inaugurar, em 2009, o Museu do Ar, em Sintra, que é hoje a sede principal. 

O Museu do Ar, situado na Granja do Marquês, Sintra, reúne a história da aviação portuguesa, militar e civil, com peças únicas que documentam as épocas da Aeronáutica Militar, Aviação Naval e da Força Aérea, além de espólios da TAP - Transportes Aéreos Portugueses e ANA - Aeroportos de Portugal. 

A sua importância histórico-cultural foi reconhecida, em 2013, pela Associação Portuguesa da Museologia com a atribuição do galardão de “Melhor Museu do Ano”. 

Hoje, o Museu do Ar continua a cumprir com o “dever da memória”, conservando, restaurando e expondo o espólio aeronáutico nacional em três pontos dos país: Sintra, junto à Base Aérea N.º 1, em Alverca, junto ao Depósito Geral de Material da Força Aérea, e em Ovar, no Aeródromo de Manobra N.º 1.

 Fonte: EMFA





























































































sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Spotting nos dias de confinamento

 


Numa altura em que estamos confinados, para continuar neste nosso gosto pela fotografia de aviões, só mesmo de casa. É o que acontece com o Marco Casaleiro que de casa tem este resultado.

Obrigado Marco Casaleiro pela partilha da foto






















































 


Numa altura em que estamos confinados, para continuar neste nosso gosto pela fotografia de aviões, só mesmo de casa. É o que acontece com o Marco Casaleiro que de casa tem este resultado.

Obrigado Marco Casaleiro pela partilha da foto






















































quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Elefantes da Esquadra 502 efetuam transporte de doentes com Covid-19

 

A Força Aérea transportou no passado dia 10 de fevereiro, mais quatro doentes com COVID-19 de Lisboa para o Porto. Uma aeronave C-295M, da Esquadra 502 - “Elefantes”, descolou do Aeródromo de Trânsito N.º 1, Figo Maduro, pelas 15H19, aterrando no Porto às 16h20. 

A bordo, e para garantir todos os cuidados médicos necessários, seguiu uma equipa médica do Núcleo de Evacuações Aeromédicas da Força Aérea, constituída por dois médicos e quatro enfermeiros.

Fonte: www.emfa.pt   



































































 

A Força Aérea transportou no passado dia 10 de fevereiro, mais quatro doentes com COVID-19 de Lisboa para o Porto. Uma aeronave C-295M, da Esquadra 502 - “Elefantes”, descolou do Aeródromo de Trânsito N.º 1, Figo Maduro, pelas 15H19, aterrando no Porto às 16h20. 

A bordo, e para garantir todos os cuidados médicos necessários, seguiu uma equipa médica do Núcleo de Evacuações Aeromédicas da Força Aérea, constituída por dois médicos e quatro enfermeiros.

Fonte: www.emfa.pt   



































































F-35 Demo Team reduz numero de demonstrações para 2021

 

A equipe de demonstração do USAF F-35 Lightning II irá cortar uma série de performances planeadas de Festivais Aéreos este ano devido a problemas de motor em toda a frota. Esta surpreendente notícia foi confirmada pela equipe.

 

Os motores Pratt & Whitney da frota F-35A da Força Aérea têm operado em temperaturas mais altas do que o esperado. Isso, combinado com materiais de baixo desempenho dentro do motor, está a resultar em maiores defeitos mecânicos e desgaste pelo uso. Os motores desgastados estão a demorar mais para reparar do que o esperado, fazendo com que a frota enfrente uma escassez de motores de reposição.

Fonte: F-35A Demo Team




































































































 

A equipe de demonstração do USAF F-35 Lightning II irá cortar uma série de performances planeadas de Festivais Aéreos este ano devido a problemas de motor em toda a frota. Esta surpreendente notícia foi confirmada pela equipe.

 

Os motores Pratt & Whitney da frota F-35A da Força Aérea têm operado em temperaturas mais altas do que o esperado. Isso, combinado com materiais de baixo desempenho dentro do motor, está a resultar em maiores defeitos mecânicos e desgaste pelo uso. Os motores desgastados estão a demorar mais para reparar do que o esperado, fazendo com que a frota enfrente uma escassez de motores de reposição.

Fonte: F-35A Demo Team




































































































quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Esquadra 201 faz hoje 63 anos

 


Com o lema "Guerra ou Paz Tanto Nos Faz" e o símbolo do Falcão Peregrino, nasceu faz hoje 59 anos, a Esquadra 50 tendo como primeiro comandante o Capitão Moura Pinto, decorria o ano de 1958.Em Setembro desse mesmo ano é feito o primeiro voo de um piloto português no F-86F que foi a primeira aeronave a equipar a esquadra e nessa altura já tinha sido alterada para Esquadra 51. Uns dias depois é ultrapassada a barreira do som pelo mesmo piloto, pela primeira vez em Portugal. 

Em 1961 foi desencadeada pela Força Aérea a "Operação Atlas" que consistiu num destacamento de 8 F-86F da Base Aérea de Monte Real para a Guiné-Bissau que durou até 1963 cumprindo cerca de 577 missões operacionais. Em 1978 os Falcões foram renomeados e para "Esquadra 201, onde continuaram a operar o F-86F até 30 de Junho de 1980, somando um total de 60.000 horas. Com a chegada dos A-7P Corsair II em Dezembro de 1981, onde presenciei a chegada dos primeiros 9. Nessa data os Falcões passaram a designar-se Esquadra 302 e ao longo de 15 anos efectuaram cerca de 30.000 horas de voo. 

No dia 4 de Outubro de 1993, com a aquisição dos F-16 A/B a Força Aérea Portuguesa decide renomear os Falcões como Esquadra 201, voltando à nomenclatura original relacionada com a missão de Defesa Aérea. Desde então a Esquadra 201 tem integrado missões importantes conjuntamente com os países aliados no âmbito da NATO, como a operação "Allied Force" onde realizou um total de 270 missões operacionais no Kosovo, participou no Red Flag de 2000, diversas missões de Defesa Aérea em eventos de alta visibilidade, efectuou destacamentos para execução da missão de Policiamento Aéreo da NATO sobre os Países Bálticos. Estando previsto outra missão para este ano. 

Desde 26 de Maio de 2011, a Esquadra 201 passou a operar a plataforma F-16 MLU. Historicamente, os “Falcões” são uma Esquadra de referência para a Força Aérea Portuguesa e para a Nação, não só pelos meios que operam, mas também na vanguarda em termos tecnológicos, pela atitude profissional, competente e dedicada dos seus elementos. Fonte :EMFA



































































 


Com o lema "Guerra ou Paz Tanto Nos Faz" e o símbolo do Falcão Peregrino, nasceu faz hoje 59 anos, a Esquadra 50 tendo como primeiro comandante o Capitão Moura Pinto, decorria o ano de 1958.Em Setembro desse mesmo ano é feito o primeiro voo de um piloto português no F-86F que foi a primeira aeronave a equipar a esquadra e nessa altura já tinha sido alterada para Esquadra 51. Uns dias depois é ultrapassada a barreira do som pelo mesmo piloto, pela primeira vez em Portugal. 

Em 1961 foi desencadeada pela Força Aérea a "Operação Atlas" que consistiu num destacamento de 8 F-86F da Base Aérea de Monte Real para a Guiné-Bissau que durou até 1963 cumprindo cerca de 577 missões operacionais. Em 1978 os Falcões foram renomeados e para "Esquadra 201, onde continuaram a operar o F-86F até 30 de Junho de 1980, somando um total de 60.000 horas. Com a chegada dos A-7P Corsair II em Dezembro de 1981, onde presenciei a chegada dos primeiros 9. Nessa data os Falcões passaram a designar-se Esquadra 302 e ao longo de 15 anos efectuaram cerca de 30.000 horas de voo. 

No dia 4 de Outubro de 1993, com a aquisição dos F-16 A/B a Força Aérea Portuguesa decide renomear os Falcões como Esquadra 201, voltando à nomenclatura original relacionada com a missão de Defesa Aérea. Desde então a Esquadra 201 tem integrado missões importantes conjuntamente com os países aliados no âmbito da NATO, como a operação "Allied Force" onde realizou um total de 270 missões operacionais no Kosovo, participou no Red Flag de 2000, diversas missões de Defesa Aérea em eventos de alta visibilidade, efectuou destacamentos para execução da missão de Policiamento Aéreo da NATO sobre os Países Bálticos. Estando previsto outra missão para este ano. 

Desde 26 de Maio de 2011, a Esquadra 201 passou a operar a plataforma F-16 MLU. Historicamente, os “Falcões” são uma Esquadra de referência para a Força Aérea Portuguesa e para a Nação, não só pelos meios que operam, mas também na vanguarda em termos tecnológicos, pela atitude profissional, competente e dedicada dos seus elementos. Fonte :EMFA



































































domingo, 31 de janeiro de 2021

A última missão operacional do Alphajet - Real Thaw 2018

 

31 de janeiro de 2018 a data em que o Alphajet participou pela ultima vez no exercicio Real Thaw tendo executado a sua ultima missão operacional.

15211 "Caracol" e o 15206 "Asas de Portugal" foram as duas ultimas aeronaves a executar a missão de treino, seguindo-se a desactivação da Esquadra 103 Caracois até aos dias de hoje.






































































 

31 de janeiro de 2018 a data em que o Alphajet participou pela ultima vez no exercicio Real Thaw tendo executado a sua ultima missão operacional.

15211 "Caracol" e o 15206 "Asas de Portugal" foram as duas ultimas aeronaves a executar a missão de treino, seguindo-se a desactivação da Esquadra 103 Caracois até aos dias de hoje.